segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

ARARUTA: BENEFÍCIOS

A araruta (Maranta arundinacea) é uma planta medicinal também conhecida como maranta, araruta-comum, araruta-gigante, araruta-palmeira, araruta-ramosa, embiri, agutiguepe e arrowroot (inglês). A araruta de nome popular inclui as espécies Maranta nobilis e Maranta allouya. Pertence a família Marantaceae.

A Maranta arundinacea foi descoberta na ilha de Dominica. O nome em inglês da planta arrowroot é uma junção das palavras em inglês arrow (seta) e root (raiz), vez que a raiz da araruta era utilizada no tratamento de feridas causadas por flechas em guerreiros durante batalhas. Já a palavra araruta é oriunda do termo aruaque aru-aru, que significa “farinha de farinha”.

Benefícios da Araruta

A Maranta arundinacea é um laxante com efeito moderado, contudo, é utilizada na medicina popular para aliviar diarreias causadas por estresse. É uma excelente fonte de carboidratos e cálcio. Usada em forma de pó ou erva de banho no tratamento de queimaduras de sol e brotoeja (A brotoeja é uma erupção na pele relacionada ao calor e que afeta principalmente crianças pequenas). A araruta também utilizada sob a forma de um pó seco com amido, produzido a partir do líquido leitoso extraído a partir do rizoma da araruta ralado.

A araruta tem sido estudada como um remédio natural para diarreia, possivelmente devido ao seu alto teor de amido. É consumida oralmente para aliviar distúrbios gastrointestinais e aplicado sobre a pele para acalmar membranas mucosas dolorosas, irritadas ou inflamadas. Alguns índios nativos da America do Sul e América Central aplicavam a planta em forma de cataplasma em mordidas de cobra, picadas de insetos, cortes e até em ferimentos causados por flechas.

Na culinária, a raiz grossa é desidratada para ser transformada em pó. Após isso, o pó é usado em molhos, pudins, tortas e bolos. Também pode ser cozida em sopas para auxiliar na nutrição de crianças pequenas, pacientes com debilidade ou em recuperação e idosos, vez que é rica em fibras e de fácil digestão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário